A greve da polícia do Espírito Santo serviu como mais uma prova de que não podemos conceder ao Estado o monopólio da força e da segurança, já que ele não tem como garantir nem eficiência, nem a continuidade na prestação desse serviço.

es2

     Todos sabem que a demora para a polícia chegar ao local de onde foi chamada jamais será igual ou inferior a cinco minutos, podendo levar até horas. Em compensação, poucos segundos são suficientes para o criminoso executar o seu delito, tornando praticamente impossível a defesa do cidadão através da polícia em quase 100% dos casos.

     Todavia, somos obrigados a delegar ao Estado o serviço da nossa segurança, o qual, além de caro, é totalmente ineficiente. O cidadão não tem o direito de escolher pagar a uma empresa privada por esse serviço, em vez de pagar ao Estado. Ele terá que pagar à empresa, se quiser usufruir de um serviço particular de qualidade, sem, contudo, deixar de pagar a totalidade dos tributos.

es3

     A nação mais desenvolvida do mundo estabelece, na sua 2ª emenda constitucional, o direito aos cidadãos de possuir e portar armas, pela proibição ao Estado de produzir qualquer lei ou regulamento que anule, impeça, dificulte ou iniba esse direito, já que esse é o único direito que garante todos os outros.

     Duvido que se a polícia do estado do Texas, por exemplo, entrasse em greve,  fosse ocorrer o caos que acontece no nosso país nesses casos. Não derrubariam as portas das lojas, não assaltariam descaradamente nas ruas como acontece aqui, porque lá, os criminosos encontrariam resistência armada da própria populaçao com toda a certeza.

es4

     Uma enorme parcela da nossa população não percebeu o fato de que, ao ser desarmada, ela perde completamente a única e real garantia de todos os seus direitos tais como à propriedade e principalmente à integridade pessoal e até à vida.

     A falta de percepção dessas pessoas deve-se à intensa campanha pelo desarmamento orquestrada pelo marxismo cultural como uma das suas estratégias para viabilizar a dominação e estabelecer o regime totalitário. Foi o que aconteceu em todos os países em que o governo desarmou a sua população. Executada pelas mídias através de políticos, artistas e cantores. Os argumentos foram os mais diversos, estapafúrdios, ilógicos, mal intencionados e  descarados.

es5

     Apesar de a desonesta campanha publicitária não ter conseguido produzir o resultado esperado na consulta à população, eles decidiram ignorar a vontade dos brasileiros e deram continuidade aos seus planos diabólicos produzindo leis, regulamentos e portarias que dificultaram ou proibiram o acesso dos cidadãos às armas.

     Ainda que o Estado fosse honesto e bem intencionado, esses atributos estatais teriam deixado de existir quando, à nossa revelia (no último referendum ficou decidido que somos contra o desarmamento), nossos governantes decretaram leis e estabeleceram regulamentos que nos tornam criminosos ao portarmos ou simplesmente por possuirmos arma de fogo.

es7

     É bem possível que alguém desonesto ou equivocado use o caos estabelecido no Espírito Santo para alegar a importância da existência do Estado na garantia da nossa segurança. Não consideram o fato de que o Estado não deixou de existir, mas simplesmente deixou de cumprir com a sua obrigação, sem a correspondente diminuição na extorsão dos tributos, pois somos obrigados a pagar por serviços não prestados.

     Considerando-se tudo aqui exposto, podemos concluir que, pelo menos na segurança o Estado é um mal desnecessário, uma vez que nos custa caro e o serviço prestado é praticamente irrelevante. Consideremos principalmente o perigo iminente de esse governo esquerdista dar o passo decisivo no domínio da população, obtendo a força armada pretendida através da criação da Força Nacional de Segurança Pública, já que não tem o apoio irrestrito das FFAA nem das polícias estaduais.

es9

     Falta apenas aumentar e exercitar essa força obtendo da população muitos pedidos de socorro à União para apoio popular ao sinistro objetivo. Para isso, quanto mais insatisfeitas as polícias, mais greves e maior necessidade de socorro federal. Com nossos governadores esquerdistas e em total sintonia com o movimento revolucionário em pleno andamento no nosso país, a conquista do objetivo final aproxima-se inexoravelmente.

Paulo Mascarello

Para saber mais sobre a mentira do desarmamento leia